sábado, 11 de fevereiro de 2012

Bom Aluno...

Encontrei estes cartazes de incentivos para os alunos no site www.educarparacrescer.com.br, e achei bem interessante para trabalhar na sala de aula.
Inclusive já utilizei um deles...


2012!!!

Depois de algum tempo longe do blog, estou de volta... Espero conseguir me organizar para voltar a publicar minhas atividades que tanto gosto de desenvolver...

terça-feira, 14 de junho de 2011

Documentário Lixo Extraordinário....

Trailer do documentário Lixo Extraordinário.

http://www.youtube.com/watch?v=_pyR9qCd2F8

O documentário é simplesmente incrível...

Levei para a sala de aula e foi muito bem aceito pelos meus alunos. É simplesmente uma aula de conscientização sobre Valores...

terça-feira, 12 de abril de 2011

LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL


Atividade avaliativa para trabalhar tipos de linguagem...





Leia atentamente e responda:


01- Responda V para verdadeiro e F para falso: (0,1 ponto cada)


( ) A linguagem verbal é aquela que se utiliza da palavra na transmissão da mensagem.


( ) As histórias em quadrinhos, geralmente, apresentam linguagem verbal e não-verbal.


( ) As placas de trânsito se utilizam de linguagem verbal.


( ) Linguagem verbal é aquela que transmite mensagens através de palavras e gestos.


( ) Os gestos, os símbolos, os desenhos, as placas são exemplos de linguagem não-verbal.


02- Agora leia esta tirinha e responda: (0,1 ponto cada)



a) Por que o Cascão não entrou em casa para dormir?


b) Qual é o tipo de linguagem que aparece na história?


03- Leia com atenção a HQ da Mônica e do Cascão: (0,1 ponto cada)


a) O que a Mônica está fazendo nos 3 primeiros quadros?


b) O que quer dizer os riscos que saem do coelhinho?


c) O que o Cascão está fazendo no quinto quadrinho?


d) Qual é a reação da Mônica?


e) O que a expressão da Mônica indica no penúltimo quadro?


f) No último quadro o significa as estrelas e os riscos sobre a cabeça do Cascão?


g) E os riscos sobre a cabeça do coelhinho?


h) Que tipo de linguagem aparece nesta história?


i) A ausência de palavras dificultou o entendimento da história? Por quê?



04- Transforme a tirinha abaixo em exemplo de linguagem mista depois pinte-a: (0,1 pontos)

terça-feira, 22 de março de 2011

HISTÓRIA... IDEOLOGIA NAS PROPAGANDAS...

Para trabalhar a historicidade do homem e as mudanças históricas, escolhi algumas propagandas de Omo, nas quais busquei ressaltar a mudança ideológica presente nelas.
Avaliação de História

Observe as propagandas abaixo, compare-as e responda:


imagens extraidas de www.google.com.br
1- Qual é o produto anunciado nas propagandas acima?

2- Quem aparece na primeira imagem?

3- Como é a roupa usada na primeira imagem?

4- Quem aparece nas outras duas imagens?

5- Como são as roupas que as pessoas estão usando nas outras duas imagens?

6- A ideia que as imagens transmitem é a mesma?

7- Qual é a diferença ideológica das três propagandas?

8- Por que essas ideias mudaram?

9- Observe o vocabulário da primeira imagem. Essas palavras são utilizadas atualmente?

10- As propagandas são históricas? Por quê?

domingo, 20 de fevereiro de 2011

O MITO DA CAVERNA EM QUADRINHOS...

video

REUNIÃO DE PAIS...

A volta às aulas é marcada pela primeira reunião de pais... Que chegam para conhecer a nova professora dos filhos, saber como serão os encaminhamentos curriculares, quais serão os eventos do ano, entre outras informações pertinentes...
Neste ano escolhi a mensagem "Girassois e Miosótis" para recepcionar aos pais da minha turma... Afinal, ela é linda e diz muito sobre as relações entre pais e filhos...



GIRASSOIS E MIOSÓTIS

O girassol é a flor raçuda que enfrenta até a mais violenta intempérie e acaba sobrevivendo.

Ele quer luz e espaço e em busca desses objetivos, seu corpo se contorce o dia inteiro.

O girassol aprendeu a viver com o sol e por isso ele é forte.

Já o miosótis é plantinha linda, mas que exige muito cuidado.

Gosta mais de estufa.

O girassol se vira... e como se vira!

O miosótis quando se vira, vira errado. Precisa de atenção redobrada.

Há filhos girassóis e filhos miosótis.

Os primeiros resistem a qualquer crise: descobrem um jeito de viver bem, sem ajuda.

As mães chegam a reclamar da independência desses meninos e meninas, tal a sua capacidade de enfrentar problemas e sair-se bem.

Por outro lado há filhos e filhas miosótis que sempre precisam de atenção.

Todo o cuidado é pouco diante deles.

Reagem desmesurada mente , melindram, são mais egoístas que os demais, ou as vezes mais generosos e ao mesmo tempo tímidos, caladões.

Eles estão sempre precisando de cuidados.

O papel dos pais é o mesmo do jardineiro que sabe das necessidades de cada flor, incentiva ou poda na hora certa.

De qualquer modo fique atento.

Não abandone demais os seus girassóis porque eles também precisam de carinho... e não proteja demais os seus miosótis.

As rédeas permanecem com vocês... mas também a tesoura e o regador.

Não negue, mas não dêem tudo o que querem: a falta e excesso de cuidado matam a planta...

José Fernandes de Oliveira (Pe. Zezinho)

sábado, 6 de novembro de 2010

ATIVIDADES COM HISTÓRIAS EM QUADRINHOS!!!!!

Atividades para trabalhar com Histórias em Quadrinhos...

Leia com atenção e responda:

1- Sobre a tirinha do Cebolinha responda V para verdadeiro e F para falso:

( ) A família do Cebolinha está de férias em uma praia.
( ) Todos estão muito felizes e se divertindo.
( ) A família está em uma ilha deserta.
( ) Eles estão em uma ilha pequena que tem apenas um coqueiro.
( ) O Cebolinha está cansado de comer peixe.

2- Leia e marque X nas alternativas corretas:

( ) A Mônica pode ser caracterizada como brava.

( ) O Cebolinha é medroso.

( ) O Cascão é limpo.

( ) A expressão do rosto e o som que a Mônica emite, mostram que ela está feliz.

( ) O Cascão não entendeu a ajuda que o Cebolinha queria.

( ) O Cascão, o Cebolinha e a Mônica estavam apostando corrida.

( ) O Cebolinha estava fugindo da Mônica para não apanhar.


3- Leia com atenção e complete as frases com uma palavra:

a) Cascão está gritando de ______________
b) Cebolinha viu o amigo gritando e saiu _________
c) Cebolinha voltou com um kit de primeiros ______

d) E colocou o curativo na boca do __________

4- Observe as expressões faciais abaixo e coloque-as nos rostos da Mônica; observe o corpo para ver qual expressão combina melhor:

5- Complete a história do Menino Maluquinho:


segunda-feira, 11 de outubro de 2010

sábado, 31 de julho de 2010

Mais Matemática...

Leia com atenção as situações problemas abaixo, depois resolva-as:

1- As cores do semáforo, na frente da casa de João, mudam a cada 20 segundos. Ele ficou na janela durante 5 minutos. Quantas vezes as cores do semáforo mudaram?

2- Clara está caminhando numa pista que tem 1278 metros. Ela dará 6 voltas e já caminhou 2648 metros. Quantos metros ela ainda vai caminhar para completar as 6 voltas?

3- Dona Joana comprou 9 camisetas iguais e gastou R$ 126,00. Dona Rita comprou 5 destas camisetas.

a) Qual era o valor de cada camiseta?

b) Quanto dona Rita gastou?

4- Pedro leu um livro em 5 dias. Sabendo que cada dia ele leu a quantidade exata de 28 páginas, quantas páginas têm o livro que Pedro leu?

5- A distância de Araraquara a Jaú é de 70 Km. Um automóvel já percorreu 34 Km. Quantos Km faltam para completar o trajeto?

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Atividades Matemáticas... Situações Problemas...

Leia com atenção, faça o cálculo se necessário e marque a alternativa correta.

1- Um viajante fez uma viagem de ônibus durante 83 horas. Portanto ele viajou

a) 3 dias.

b) 2 dias e 22 horas.

c) 3 dias e 11 horas.

d) 2 dias e meio.

2- Cris tem o triplo de figurinhas de Carlos, que tem 243 figurinhas. Portanto Cris tem

a) 723 figurinhas.

b) 729 figurinhas.

c) 742 figurinhas.

d) 732 figurinhas.

3- Uma floricultura vendeu 1 unidade de milhar, 4 centenas e duas unidades de rosas em um mês. Portanto o número de rosas vendidas foi

a) 2402 rosas.

b) 1420 rosas.

c) 1042 rosas.

d) 1402 rosas.

4- No número 427.810 o algarismo 2 ocupa a ordem da

a) centena de milhar.

b) dezena de milhar.

c) unidade de milhar.

d) dezena de milhão.

5- O perímetro de um quadrado com lados medindo 7 cm é de

a) 23 cm.

b) 28 cm.

c) 25 cm.

d) 30 cm.

6- O valor relativo do algarismo 8 no número 784.623 é

a) 80.

b) 800.

c) 8.000.

d) 80.000.

7- Uma arroba tem 15 Kg, 7 arrobas têm

a) 120 Kg.

b) 135 Kg.

c) 105 Kg.

d) 110 Kg.

8- O quádruplo de 23.476 é

a) 93.904.

b) 96.904.

c) 93.490.

d) 93.940.

9- A quinta parte de 28.490 é

a) 5.960.

b) 5.698.

c) 5.780.

d) 5.860.

10- Duas horas e meia equivalem a

a) 130 minutos.

b) 140 minutos.

c) 150 minutos.

d) 120 minutos.

11- Um Kg tem 1.000 gramas, 5 Kg e meio tem

a) 5.000 gramas.

b) 50.000 gramas.

c) 5.500 gramas.

d) 55.000 gramas.

12- Um litro tem 1.000 mililitros. Portanto 7 litros e meio tem

a) 7.000 mililitros.

b) 7.200 mililitros.

c) 7.500 mililitros.

d) 7.550 mililitros.

13- O maior número que você pode escrever usando os algarismos 8 1 9 5 e 7, sem repeti-los é

a) 91.875.

b) 98.715.

c) 98.751.

d) 97.851.

14- No número 10.060 o algarismo 6 ocupa a ordem da

a) centena simples.

b) dezena simples.

c) unidade simples.

d) dezena de milhar.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Dia do Amigo...

FELIZ DIA DO AMIGO...

Amigo é aquele que independente da hora...

Sabe oferecer o aconchego do seu coração sem pedir nada em troca...

E quando ele precisa sabe que pode fazer o mesmo sem objeção.

Não importa o quanto esteja distante...

Amizade é irmã do amor e não tem cara, tem reciprocidade, afetividade,

Respeito, carinho, confiança e alegria.

Não existe escola para formação de amigos...

Eles por si já nascem aptos...

Por isso não existe regras para uma verdadeira amizade...

Elas se compatibilizam sem invasões...

Unindo os verdadeiros amigos sem maldades, sem segredos, sem interesses,

A felicidade de um é a felicidade do outro.

Por isso hoje te procurei só para dizer...

Feliz dia do Amigo!!!

Eu sou feliz porque você existe...

Está no meu coração... e jamais será esquecido!

sábado, 26 de junho de 2010

Interpretação Textual...

Leia com atenção:

“Você irá conhecer agora a história do visitante que acompanhou, fascinado, uma aula como ela seria num futuro em que o computador tivesse substituído o professor.”

Retrocesso

O visitante estranhou porque, quando o levaram para conhecer a sala de aula do futuro, não havia uma professora-robô, mas duas. A única diferença entre as duas era que uma era feita totalmente de plástico e fibra de vidro — fora, claro, a tela do seu visor e seus componentes eletrônicos —, e a outra era acolchoada. Uma falava com as crianças com sua voz metálica e mostrava figuras, números e cenas coloridas no seu visor, e a outra ficava quieta num canto. Uma comandava a sala, tinha resposta para tudo e centralizava toda a atenção dos alunos, que pareciam conviver muito bem com a sua presença dinâmica, a outra dava a impressão de estar esquecida ali, como uma experiência errada.

O visitante acompanhou, fascinado, uma aula como ela seria num futuro em que o computador tivesse substituído o professor. O entendimento entre a máquina e as crianças era perfeito. A máquina falava com clareza e estava programada de acordo com métodos pedagógicos cientificamente testados durante anos. Quando não entendiam qualquer coisa as crianças sabiam exatamente que botões apertar para que a professora-robô repetisse a lição ou, em rápidos segundos, a reformulasse, para melhor compreensão. (As crianças do futuro já nascerão sabendo que botões apertar.)

— Fantástico! — comentou o visitante.

— Não é? — concordou o técnico, sorrindo com satisfação.

Foi quando uma das crianças, errando o botão, prendeu o dedo no teclado da professora-robô. Nada grave. O teclado tinha sido cientificamente preparado para não oferecer qualquer risco aos dedos infantis. Mesmo assim, doeu, e a criança começou a chorar. Ao captar o som do choro nos seus sensores, a professora-robô desligou-se automaticamente. Exatamente ao mesmo tempo, o outro robô acendeu-se automaticamente. Dirigiu-se para a criança que chorava e a pegou no colo com os braços de imitação, embalando-a no seu colo acolchoado e dizendo palavras de carinho e conforto numa voz parecida com a do outro robô, só que bem menos metálica. Passada a crise, a criança, consolada e restabelecida, foi colocada no chão e retomou seu lugar entre as outras. A segunda professora-robô voltou para o seu canto e se desligou enquanto a primeira voltou à vida e à aula.

— Fantástico! — repetiu o visitante.

— Não é? — concordou o técnico, ainda mais satisfeito.

— Mas me diga uma coisa... — começou a dizer o visitante.

— Sim?

— Se entendi bem, o segundo robô só existe para fazer a parte mais, digamos, maternal do trabalho pedagógico, enquanto o primeiro faz a parte técnica.

— Exatamente.

— Não seria mais prático — sugeriu o visitante — reunir as duas funções num mesmo robô?

Imediatamente o visitante viu que tinha dito uma bobagem. O técnico sorriu com condescendência.

— Isso — explicou — seria um retrocesso.

— Por quê?

— Estaríamos de volta ao ser humano.

E o técnico sacudiu a cabeça, desanimado. Decididamente, o visitante não entendia de futuro.

Luís Fernando Veríssimo. In Nova Escola. São Paulo. Abril, out. 1990. p. 19.

Responda de acordo com o texto:

1. Quais as características das professoras descritas no texto? ________________________________

2. Segundo o autor do texto, como seria a aula do futuro? ______________________________________

3. Na aula do futuro, como agiriam os alunos quando tivessem alguma dúvida? ____________________

4. O que aconteceu quando a criança machucou-se no teclado? ________________________________

5. Segundo o texto, qual a razão de ter duas professoras-robô para atender aos alunos? _____________

6. A professora de plástico e fibra de vidro satisfazia que tipo de necessidade das crianças? Por quê? __

7. Qual era a função da professora acolchoada? _____

8. Na sua opinião, a professora-robô é diferente das professoras que você conhece? Por quê? _______

9. Numere as frases de acordo com a ordem de acontecimentos do texto:

( ) Uma das crianças prendeu o dedo no teclado.

( ) O visitante estranhou, quando o levaram para conhecer a sala de aula, havia duas professoras.

( ) O aluno que machucou o dedo começou a chorar.

( ) O técnico sacudiu a cabeça desanimado.

( ) A segunda professora voltou para o seu canto e se desligou, enquanto a primeira voltou a dar aula.

( ) O visitante viu que dito uma bobagem.

( ) O visitante acompanhou uma aula do futuro.

10. Marque com X as palavras que você usaria para caracterizar a “professora_robô”, que explicava a matéria para as crianças.

( ) impaciente ( ) simpática ( ) carinhosa ( ) eficiente ( ) gentil ( ) impessoal ( ) objetiva.

11. Marque com X a resposta correta:

O significado de retroceder é:

( ) realizar alguma coisa

( ) melhorar o ensino.

( ) voltar para trás

( ) nenhuma das respostas.

Fonte: www.portalanchieta.com.br/arquivos/colegio/9_lingua_portuguesa.pdf

domingo, 21 de março de 2010

História dos números I...


HISTÓRIA DOS NÚMEROS

UM POUCO DA HISTÓRIA DOS HOMENS

Há muito tempo, as pessoas viviam em pequenos grupos e se abrigavam em cavernas. Como alimento, usavam frutos, raízes e carne de animais que caçavam. Nas paredes das cavernas pintavam acontecimentos do seu dia-a-dia e de seus animais.

Com o passar do tempo, e devido às modificações que foram acontecendo na natureza e com os próprios homens, as pessoas passaram a plantar, a domesticar e a criar animais para a sua alimentação. Aí, também se iniciaram as trocas.

Em vista disso, o homem sentiu a necessidade de contar e medir. Para a contagem, usou pedrinhas, marcas em ossos, nós em cordas e os dedos das próprias mãos. Para medir usou o seu corpo.

Para grandes quantidades, ele fez agrupamentos. As mãos e os pés devem ter sido usados para contar de 5 em 5, de 10 em 10.

E como registrar essas contagens? Talvez assim I I I I I ou assim I I I I I I I I I I . Essa importante ideia foi usada de uma ou de outra forma, desde os sistemas mais antigos de numeração.

A necessidade de registrar quantidades deu origem à numeração escrita. Diversas civilizações antigas criaram seus próprios sistemas numéricos.

Vamos conhecer alguns desses sistemas.

Egípcio:
Maia:
Sabendo que o ponto significa 1 e a barra 5, para ler os números acima você deve apenas somar os símbolos. Pontinhos representados em cima das barrinhas.
Babilônicos:

Fig.1 - Os algarismos 1 e 10

Fig.2 - Os algarismos de 2
a 9

Fig.3 - As dezenas de 10 a 50

Romanos:

Indo-arábicos

A história dos números!!!!

Um pouco sobre como surgiu a necessidade de registrar as quantidades...

video

http://www.youtube.com/watch?v=Qh6wS2MWXLU